Sobre nós

Seja bem-vindo! Conheça um pouco sobre o blogue.

Legado da Adaga Negra

Leia tudo sobre o novo livro da nova saga da IAN: "Beijo de sangue"

The Fallen Angels

Conheça a série Anjos Caídos.

domingo, 24 de setembro de 2017

A Ladra - 16º livro

Olá pessoal!!!!

Desculpem o atraso, mas tenho andado fora do pc e sem cabeça para traduções... O trabalho dá cabe de mim... :(

Há uns tempos atrás prometi-vos a capa e o resumo do livro The Thief (A Ladra) e aqui está ele, juntamente com a partilha que fiz há um tempo atrás.

Espero que gostem. :)



Aqui está a Sinopse (retirada do Goodreads):

A Ladra (16º Livro da Irmandade da Adaga Negra - Publicação prevista para 3 de Abril de 2018)

Novos inimigos erguem-se das sombras na próxima novela da série de romance paranormal da lista de bestsellers do New York Times, Irmandade da Adaga Negra.


Tendo aliado-se ao Bando de Bastardos, a Irmandade está empenhada mais que nunca em erradicar a Sociedade dos Minguantes. Na recuperação da batalha mais recente contra os últimos Minguantes, a Irmandade apercebesse que a luta contra os seus inimigos está longe de acabar. O Throe, o antigo segundo no comando do Xcor, está a usar um livro antigo para convocar um novo exercito concebido por uma força mais perigosa e malévola que o Omega. E agora os Irmãos da Irmandade da Adaga Negra serão testados tanto em casa como no campo de batalha.


A Capa:


 Versão Original:

The Thief (Black Dagger Brotherhood #16)


New enemies rise from the shadows in the next novel of the New York Times bestselling paranormal romance series the Black Dagger Brotherhood.

Having allied themselves with the Band of Bastards, the Brotherhood is committed now more than ever to eradicating the Lessening Society. Recovering from their most recent battle against the last of the lessers, the Brotherhood comes to realize that the fight against their enemies is far from over. Throe, Xcor’s former second in command, is using an ancient tome to summon a new army engineered by a force more dangerous and evil than the Omega. And now the brothers of the Black Dagger Brotherhood will be tested both at home and on the battlefield.


Agora o apanhado mais importante do post que partilhei convosco no outro dia (a parte da entrevista):


- Pode dar aos leitores um gosto pequenino do que vão ter n'A Ladra?
O Assail e a Sola vão abalar o vosso mundo! OMG, o drama e a intriga... e o ummmmmm... pois, vocês sabem do que eu estou a falar.

- O que te faz voltar à Irmandade da Adaga Negra, para além dos leitores exigirem mais?
As histórias ainda não terminaram na minha cabeça! E elas têm que sair ou as coisas ficam entupidas por lá. Os Finais Felizes para mim são uma realidade, o que significa que eles estão sempre em evolução. Por isso para além de haver novas pessoas na IAN, as histórias dos já acasalados está sempre em fluxo. Muitos leitores são tal e qual como eu, só querem saber o que acontece depois.

- Uma questão que já deve ter ouvido um milhão de vezes mas os leitores ainda querem saber: o que inspirou a saga da IAN?
O Wrath e os Irmãos  apenas apareceram na minha cabeça. Não foi uma questão de querer escrever sobre eles (apesar de estar empolgada por o fazer!) era mais como se eles não me deixassem em paz até eu passar a história para uma folha.

- E, finalmente, eu perguntei a alguns leitores o que é que eles estão mortinhos por te perguntar pessoalmente e aqui estão as duas (três, na realidade) das questões mais feitas: 

Há mais algum plano para a nossa amada saga dos Anjos Caídos?

 Vamos ver o Eddie e o Adrian em pouco, pouco tempo...  Eu prometo!


Quando é que vai ser contada a história do Lassiter, e o Muhrder vai aparecer em algum dos próximos livros?

Ambas as respostas são sim absolutos (bem, a primeira é um "continua a ler", suponho eu!)

----


E pronto! Por hoje é tudo...

A versão original da entrevista está em: https://www.popsugar.com/love/Thief-JR-Ward-Cover-Reveal-43987528

Mais uma vez peço desculpa pela demora e espero que isto aguçe um bocado a vossa curiosidade.

Fiquem bem e até à próxima publicação,
Sushine ;)

sábado, 12 de agosto de 2017

Encontro da Irmandade na Feira do Livro do Porto

Viva Amantes da Irmandade!

Resultado de imagem para jardins do palácio de cristal feira do livro

A Feira do Livro do Porto começa já dia 1 de setembro e a Irmandade não podia deixar de comemorar este evento. Então, dia 2 de setembro venham encontrar-se connosco!

Encontro da Irmandade no Porto


12:30 - Encontro para almoço (local ainda a definir).
14:15 - Partida para a Feira do Livro
14:30 - Encontro na Feira do Livro (frente ao portão dos Jardins do Palácio de Cristal)
18:30 - Hora prevista para o fim do encontro

Nota: Quem quiser ir ao encontro, mas não quiser almoçar connosco, encontre-se no local indicado acima para o Encontro na Feira do Livro.

Importante


  • Por favor, confirmem a vossa presença neste Evento.
  • No próprio Evento será-vos perguntado se vão ao almoço ou apenas ao encontro na Feira do Livro.
  • Coloquem "Vou" no Evento apenas se forem e apenas com a vossa conta de Facebook oficial (não contamos contas de personagens ou semelhantes).
  • Se depois de colocar "Vou" no Evento algo acontecer e já não puderem ir, mudem a vossa resposta.
  • Tenham a atenção de responder se vão às duas fases do encontro ou apenas a uma, de modo a esperarmos pelas pessoas todas.
  • Quem não tiver conta de Facebook, confirme, por favor para o e-mail irmandadeadaganegra@gmail.com.

sábado, 24 de junho de 2017

Momento Alto 2 de 2 [Nightshade]



Momento Alto 2 de 2 da Irmandade em Blood Vow



Para quem ainda não leu o Momento alto 1 de 2 por ler AQUI 

Olá malta, espero que gostem 😄


Eis o momento alto 2 de 2. Este momento que estou agora a enviar-vos passa-se mais ou menos nos primeiros dez capítulos do livro.

Novamente, este momento está mais concentrado em Mary, Rhage e Lassiter.

Só para fazer um ponto da situação:

- Devido aos maus-tratos que Bitty sofreu durante a infância, foi necessário fazer uma grande maldade à miúda, é que, com as fracturas sofridas no passado, quando chegar a altura da transição dela, existe um sério risco de haver deformidades nos ossos dela devido à força da expansão podendo ligarem-se de forma errada e com ângulos errados. Se isso acontecer, a única solução será a amputação.

- Então, para resolver essa questão, tomou-se a decisão junto com Bitty, que percebeu o problema e concordou (corajosa esta menina) em concertar os ossos. Como? Partindo-os nos pontos certos para curarem correctamente.

Uma grande maldade, mas um mal necessário, escusado será dizer que tudo o que envolve ossos, não há anestesia que resolva a dor.

Okay, aqui vai:

(…)

- Eu não consigo… Eu não consigo fazer isto…

Mary não podia concordar mais. Ela também não conseguia fazer mais isto. Era demais. Angustiante. Para além do espectável.

         Sim, havia um grande objectivo nisto, mas já se fez o suficiente. Não já?

- Pode o R-r-r-r-rhage entrar? - Balbuciou Bitty.

- Absolutamente. Queres os outros também?

Tudo para que isto funcione.

- Não, porque estou a chorar - Bitty fungou. - Eu não sou corajosa…

- Oh, és, tu és. - Mary conteve mais lágrimas - Querida, tu és a pessoa mais corajosa que conheço.

Era tradição na cultura vampira os machos da espécie não fazerem parte das intervenções médicas das fêmeas… e houve alturas onde a modéstia de Bitty foi comprometida sem necessidade. No entanto, agora? Todas as apostas acabaram.

Mary nem sequer ia pedir permissão a Havers. Eles precisavam de outra coisa qualquer para ajudar a rapariga a acabar com isto.

- Eu vou buscá-lo - voluntariou-se a Dra. Jane.

Rhage entrou e Mary não pôde evitar. No segundo em que encontrou o olhar dele sufocou de tal maneira que não conseguiu respirar. E, como típico macho ligado, ele foi ter com ela primeiro, apertando-a num abraço, suspirando alguma coisa que os seus ouvidos não registaram, o tom forte e estável que significava tudo.

E depois, debruçou-se sobre a menina, as suas faces a perderem cor ao olhar para baixo para Bitty, as suas mãos tremiam quando a alcançou e puxou-a para um abraço.

Muito pessoal médico avançou rapidamente para a frente, e Mary puxou-o para trás.

- Os braços e as pernas dela ainda precisam do gesso. Tem cuidado.

Rhage deitou a rapariga de volta como se ela fosse feita de vidro.

- Eu não sou corajosa - Bitty murmurou para ele.

- Sim, és - disse ele, penteando-lhe o cabelo para trás. - És tão corajosa e estou tão orgulhoso de ti e amo-te muito.

Eles falaram durante algum tempo e depois houve uma pausa.

Como se soubesse que era o momento certo, Havers disse gentilmente:

- Só mais uma última vez. E depois está tudo terminado.

As sobrancelhas de Rhage desceram, e Mary soube sem perguntar que as presas do seu hellren tinham descido e a parte protectora dele estava a considerar estripar a garganta do doutor. Mas isso era instinto e não lógica.

Ela afagou o braço de Rhage.

- Shh, está tudo bem. Mais uma vez e isto acaba.

- Mais uma… - Ele esfregou a cara. - Nós conseguimos fazer isto.

Rhage acenou a Havers, que olhava apreensivo. E depois, o pessoal médico avançou para a mesa novamente.

A pélvis de Bitty estava novamente amarrada e a outra perna estava igualmente imobilizada. O que Havers tinha de fazer era agarrar na coxa e aplicar pressão até se ouvir o osso partir. E depois tinha de puxar o joelho até conseguir visualizar correctamente o alinhamento através da pele… algo relativamente fácil devido ao facto do quão a rapariga era muscularmente fina e subdesenvolvida. Um raio-X seria tirado para assegurar que tudo estava no lugar e depois os gessos seriam aplicados para que os ossos regenerassem e reconectassem da forma correcta.

O partir e o alinhamento foram tão primitivos, tão brutais, que no meio de toda aquela maquinaria de tecnologia topo de gama, tudo pareceu abaixo do standart moderno de cuidados. Mas havia um lado mecânico inegável para o corpo, e isso era a extrema loucura… e mesmo assim, Mary teve de dar crédito ao irmão de Marissa. Ele tinha feito isto muitas vezes antes em pacientes, e ele foi rápido, decisivo e tinha acertado com cada membro de Bitty.

Para dar espaço a Havers, Rhage foi à volta para o outro lado, a sua altura e tamanho a parecerem a Grande Muralha da China, a repousar, de repente, mesmo ao lado de Bitty. Agarrando na mão da rapariga, ele parecia ao mesmo tempo em sofrimento e forte.

- Nós conseguimos fazer isto - disse ele para ela e Mary. - Vamos passar por isto juntos e depois vamos para casa ver filmes e comer gelado. Certo? Antes de darmos por ela, já estamos fora daqui, livres e a colocar isto atrás das costas.

Mary acenou e Bitty também.

- Continua - ordenou Rhage.

Havers moveu a pequena bata hospitalar para cima, expondo um par de joelhos nodosos que eram grandes demais comparando com a circunferência da pélvis e das coxas.

Oh, meu Deus, enquanto Mary vivesse, ela ia lembrar-se sempre daquelas luvas azuis a agarrarem na coxa de Bitty, apertando a carne magra dela e… Bitty começou a gritar de dor.

E não mais que um segundo depois, uma luz brilhante faiscou através da sala de exame, brilhante como uma explosão.

Primeiro, Mary pensou que os acessórios acima das cabeças se tinham apagado, mas depois o cérebro dela fez a horrível conexão.

Desviando subitamente o seu olhar de Havers, ela olha para Rhage em horror.

- Não, agora não!

Mas era tarde demais.

A besta havia saído, accionada.



(…)



Caos completo.

Com a besta a sair do corpo de Rhage devido ao sofrimento de Bitty, Mary protege o corpo da pequena rapariga na mesa de exame com o seu - apesar de não ser por receio que o dragão a magoasse.

Partes do tecto estavam a cair, pedaços de gesso caíam do sítio onde a cabeça grande do dragão tinha embatido nos painéis. E depois, a cauda farpada chicoteava para trás e para a frente, estilhaçando armários e espalhando equipamento, esmagando a pia e fazendo dos canos uma fonte.

À medida que um jacto de água quente regava por todo o lado e as luzes tremeluziam, Havers e a sua equipa tiveram precisamente a ideia errada. Em vez de ficarem quietos, fizeram deles alvos ao correrem em volta, a tentar ir para a saída que estava bloqueada por algo que podia comê-los.

Mas, vá lá. Como se algum deles alguma vez tivesse lidado com uma situação destas?

- Parem! Não se mexam! - Ladrou Mary.

E depois veio o rugido da besta.

Mary virou a cabeça na tentativa de proteger um dos seus ouvidos, mas ela não ia usar as suas mãos, Bitty estava demasiado exposta…

Atrás do dragão, a porta da sala de exames escancarou-se, com Zsadist, V e Lassiter a entrar.

- Fecham a porta! - Gritou Mary. - E fiquem lá fora!

A melhor hipótese que ela tinha para isto não se tornar numa carnificina era fazer contacto com o olhar do dragão, acalmá-lo, e mantê-lo focado nela e em Bitty. Desde que ela conseguisse manter a sua atenção, ninguém se iria magoar.

A mandíbula do dragão estalou muito perto. E depois, a besta pareceu tremer à medida que os seus olhos reptilianos olharam em volta e focaram em Bitty. Soluços altos saíam da garganta dele, e avançou um passo, a sua pata com garras pesada como um equipamento de construção.

Mary ergueu-se lentamente, deixando que o alter-ego de Rhage visse a criança.

- Ela está bem. Anda cá, investiga por ti próprio.

A cabeça maciça do monstro baixou lentamente, como se não quisesse assustar a pequena rapariga, e com Mary a retroceder, o focinho cheirou sobre Bitty. Sons de preocupação e de perguntas a saírem, parte ronronar nervoso, parte arquejos de apreensão.

Bitty levantou a mão e deu uma festinha na bochecha com escamas roxas.

- Eu estou bem…

A sua voz era surpreendentemente forte, e depois ela sorriu, como se a sala não estivesse destruída, as pessoas não estivessem cheias de medo, e ela não tivesse sido sujeita a tortura.

Mary colocou a sua palma no grosso pescoço da besta, sentindo os músculos e o poder.

- Está tudo bem… shh… isso mesmo, cheira-a…

Sem mexer a cabeça ou até os olhos, ela suspira para Havers:

- Diz-me que reposicionaste o osso.

Com a sua visão periférica, ela viu o macho a endireitar os seus óculos com armação de tartaruga, que tinham ficado tortos no meio da cara.

- Eu… des… des… culpa… o quê?

- O osso - repetiu Mary com o mesmo tom calmo. - Fizeste tudo o que tinhas de fazer?

- S-s-s-sim, acredito que… sim. P-p-p-preciso de um raio-X para confirmar.

- Okay, vamos tentar não fazer isso agora.

As enfermeiras aproximaram-se ainda mais umas das outras como se tivessem receio que o seu chefe desafiasse aquilo.

- Eu… não - disse ele. - Concordo que não seria aconselhável agora. Permite-me a pergunta, quanto mais tempo… ah, quanto tempo ele…?

- Depende. Mas não vamos a lado nenhum até que o Rhage volte.

Bitty e a besta ainda comunicavam através de toques e de sons, e no que dizia respeito a Mary, considerando a aflição por que a rapariga passou, os dois podiam passar as próximas seis horas juntos e os adultos dentro da sala só tinham que aguentar.

Com isso em mente, Mary olhou à volta e encolheu-se. Isto ia ficar caro, pensou ela ao verificar o chão arruinado, o tecto rebentado, os destroços de vidro dos armários. Mas depois ela voltou a olhar para o seu hellren e para a pequena rapariga. A besta era uma grande parte desta não-linear e esquisita família, e merecia pertencer nela…

A porta abriu-se numa nesga, e depois, Lassiter entrou dentro da sala com equipamento de jogo. À medida que ele mostrava algo, Mary não conseguiu ver o que era…

Espera um minuto, aquilo era uma barra de Snickers?

- O que estás a fazer? - Ela exclamou enquanto ele se aproximava cautelosamente.

A besta foi chamada à atenção, o focinho a arreganhar-se, a rosnar para o anjo. Mas Lassiter estava destemido - o que não era realmente chocante.

- Aqui - disse ele. - Toma um Snickers. Não és o mesmo quando tens fome.

Houve uma pausa no batimento cardíaco. E depois, Mary não pode evitar.

Teve que começar a rir.

- A sério. A sério?

E era engraçado, com Lassiter a olhar por cima dela, a expressão dele por detrás da grelha do capacete de hóquei, completamente pateta - no entanto, os seus olhos eram tudo menos isso. Aquelas pupilas diminutas, o olhar brilhante, estavam mortalmente sérias, oferecendo a Mary uma espécie de bóia de salvação através da realidade dolorosa que ela amava a criança que tinha sido horrivelmente mal tratada e isso era algo que ela teria de lidar para o resto dos seus dias.

- Obrigada - ela suspirou para o anjo à medida que a besta alcançava e cheirava o invólucro castanho.

- Força - disse Lassiter ao dragão. - Toma.

E quem diria, com uma precisão que era impressionante, tendo em conta o tamanho daqueles dentes, o alter-ego de Rhage tomou a pequeníssima barra de chocolate entre os dentes da frente e mastigou-a.

Passado um segundo, houve um poof! E Rhage estava nu e a tremer no chão.

- Sou bom ou não sou? - Proclamou Lassiter. - Yeeeeeeeeeeah!



(…)

E pronto, eis o momento alto 2.

Quem diria que a besta se deixasse vender por uma barra de chocolate?! A Snickers ficou a ganhar com a publicidade. Novamente, Lassiter no seu melhor, conseguem imaginar o anjo com um capacete de hóquei? Eu consigo! Hilariante.



Nightshade

quarta-feira, 21 de junho de 2017

A minha teoria do que se passa nos bastidores da IAN by Nightshade

 Saudações Amantes da Irmandade!

Hoje é dia das teorias, não minha, nada disso. Mas da nossa Nightshade.

Boas Leituras e já sabem. Deixem os vossos comentários para a nossa menina.

A minha teoria do que se passa nos bastidores da IAN



(Tudo o que escrevo aqui é somente a minha opinião e pontos de vista, qualquer opinião contrária é aceite e respeitada, o mesmo vale para mim ;))



Todo este universo do IAN, adoro e amo cada vez mais. Mas as semelhanças das sagas: IAN e AC fez voar a minha imaginação e deparei-me com uma teoria.



O que será que se passa nos bastidores deste universo complexo e espectacular?



O problema com todo o universo de Caldwell é que eu gosto de todo o enredo, de todas as personagens, sim, não detesto nenhuma, até o Lash tem um lugar na minha adoração. E sim, até o detestável Havers. Sei que há pessoas que acham que os minguantes são ridículos como vilões, mas eu, sinceramente nem por isso.



A Ward além de ter reinventado vampiros (mortais, okay duram mil anos, mas... mortais) conseguiu inventar várias sub-espécies de vampiros que não existiam na literatura até então: Sombras, symphaths, doggen. Depois, os minguantes podem ser comparados a zombies (mortos-vivos). E aparentemente mais uma espécie vai ser apresentada: wolfen (é assim?) que pode ser também uma sub-espécie de vampiro e não necessariamente lobisomens. Os symphaths lembram répteis, por exemplo.



Depois há uma imortal, anjos caídos, uma fantasma, demónios, seres poderosos... ela conseguiu reunir quase todas as personagens humanóides da fantasia e místicas numa só saga e inventou mais. Só faltam mesmo os elfos e as fadas, as bruxas e as feiticeiras, mas duvido que ela vá por aí. É surpreendente. As personagens são tantas e cada uma com a sua complexidade, admiro muito o trabalho dela, não é fácil gerir isto tudo, daí às vezes haver os tais erros graves. Mas enfim...



Aviso: tenho uma imaginação muito fértil, acho que nem a Ward 'reparou' nisto:



O Criador cria um mundo dos humanos, mas antes disso criou no seu mundo místico os arcanjos, anjos, demónios, e dois grandes 'generais', os seus filhos: a Virgem Escrivã e o Ómega. Como tudo depende do equilíbrio com o livre-arbítrio - a um foi dada o dom da criação e ao outro não.



Mas essa criação teria algumas limitações: só poderiam andar de noite, o dia era exclusivo só para os humanos. Então a Virgem Escrivã cria os vampiros, mas ela tem um defeito muito grande, é orgulhosa e arrogante e daí, ao contrário do seu Pai, ela dá longevidade à sua criação, porque gosta de ser adorada e de ser obedecida, sem perguntas. O Ómega, amargurado fica com inveja da irmã e, sabendo dos defeitos dela, não cria, porque não pode, mas força sobre a espécie humana (uma vingança ao Pai por não lhe conceder o poder de criar) um upgrade (digamos assim) do mal. Faz da vida uma morte com vida falsa, feita exclusivamente para atacar vampiros, criação adorada da irmã. Dois coelhos numa cajadada só.



Coisas que achei existirem em comum entre as duas sagas IAN e Anjos: os escravos de Devina (sombras pretas oleosas) são as mesmas usadas pelo Ómega. O céu  e o outro lado vivem no mesmo plano de existência mas em realidades paralelas, o mesmo para o inferno de Devina e o inferno do Ómega. 



Ambas as criações vivem em conjunto mas são geridas por entidades diferentes, que se conhecem todas umas às outras e que não podem interferir nos mundos umas das outras, só mesmo as criações: os humanos e os vampiros é que são ignorantes a isto. Só os Irmãos é que são excepção.



Tendo a saga IAN chegado onde chegou, penso que agora é a altura de todas as entidades se misturarem de vez. O Lassiter a comandar os vampiros, a Devina a comandar um exército de escravos, através de Throe e, quem sabe, Lash a comandar uma nova espécie de minguantes. Afinal tem de haver sempre o bem e o mal, e no lado do bem, além de Lassiter, há os anjos caídos.



 Lassiter e Devina são os novos generais. O Criador fartou-se dos seus dois 'filhos', e tal como a aposta com as almas nos Anjos Caídos para ver se a humanidade era boa ou não, está na altura de se saber se a criação da Virgem Escrivã merece ou não continuar a existir, daí ter 'destituído' os filhos e dar as rédeas aos novos 'generais'.



Para mim a Virgem Escrivã cedeu lugar a Lassiter, mas o Criador está por detrás disso, está por detrás de tudo, até na  lenda do Dhestroyer, porque o Criador é o yin-yang, é a dualidade, Ele é o livre-arbítrio.



A humanidade passou na prova de fogo nos Anjos Caídos e agora é a vez dos vampiros e suas sub-espécies no IAN.



Fiquem bem,
Nightshade